sábado, novembro 17, 2007

O retrato de Dorian Gray

UPDATE de 18.11.07: Se você ainda não leu o único romance de Oscar Wilde (afinal ele publicado só em 1890) tenha cuidado, pois o texto a seguir contém revelações sobre a trama (o que é conhecido na Pottersfera como spoilers).

Aproveitando que ainda não começaram a me expulsar do computador, vou escrever um pouquinho sobre o livro que eu passei dois meses amassando na bolsa: O retrato de Dorian Gray.

Como é um "Clássico da literatura universal" - tanto é que já vi edições dele publicadas por aquela editora que publica para banca de jornal que eu não faço idéia do nome no momento - não vou entrar muito no mérito do enredo.

Mentira, acho que de uma forma ou de outra vou acabar falando da estória. Muito bem. Trata-se do primeiro romance gay que eu já li. Ok, tiveram algumas fanfics slash antes, mas ninguém precisa ficar sabendo disso, certo?

[Pausa para água, banheiro, buscar um casaco e meias, pois estou me sentindo um hobbit gigante depilado com os pés descalços no chão a uma hora dessas!]

Como eu ia dizendo: A estória começa com uma biba pintora que acha um mancebo ou efebo - eu não lembro bem o nome que se dá aqueles rapazes que na Grécia e Roma antigas serviam os homens, uma vez que as mulheres não tinham acesso suficiente à cultura para que fosse possível se interessar pela beleza interior delas - enfim, acha um rapazote lindo, ma-ra-vi-lho-so e começa a pintar um quadro dele.

Chega Henry, um velho amante da pintora e se encanta também pelo rapaz. Papo vai, papo vem, Dorian Gray formula o desejo que seria o de Henry: que ele ficasse eternamente jovem e o quadro envelhecesse em seu lugar.

Só que lá pelo meio do livro se descobre o o pedido da bichinha adolescente foi atendido. E Dorian descobre isso depois do suicídio de uma atriz de circo por quem ele havia pretensamente se apaixonara, embora eu tenha cá minhas dúvidas já que ele deu um mega-fora na garota por que ela já não conseguia representar bem depois que descobriu o amor deles.

Depois Dorian Gray, que até então tinha sido um bom moço passa a se envolver cada vez mais com a bicha velha do Henry. Vira um canalha de marca maior, e cultiva paixões florzinhas, como colecionar tecidos.

Acaba matando o primeiro amante e envolvido pela teia de vícios que o quadro lhe permitiu viver, morre algum tempo depois de forma fantástica ao tentar apagar o último vestígio de seu maior crime.


Bom, não é exatamente o que está escrito no livro, mas foi o que me pareceu.


A propósito: A versão cinematográfica que fizeram dele no filme A liga extraordinária não é lá muito fiel, pois põe o Dorian moreno, quando o lovro o descreve como loiro. Aliás vai saber se ele já não estava morto na época que se passa o filme? Bom tarefas para o pessoal do A galáxia, que pelo que eu pude ver achou um monte de falhas no tal filme.

6 comentários:

Evandro disse...

Só você mesmo pra contar o livro no blog! Vai ter um monte de gente visitando pra ler o resumo rsrsrs

E do blog de dança do ventre, ve se passa o endereço depois pra gente viu!

abraços!

Thera Fajyn disse...

::.Y.::

:(
Não podia? É um livro antigo... E eu estava só defendendo a tese dele ser um dos mais antigos romances gays, por isso contar a estória.

Bom,vou dar uma editada para avisar os desavisado! Obrigada pela lembrança.

Se a minha irmã conseguir montar eu passo sim, podexá! (É impressão minha ou ninguém se interessa por Estatística?hehehe!) :P

Enio Luiz Vedovello disse...

Eu concordo, o Retrato é um romance gay, sim. Tudo bem, o Oscar Wilde era gay, chegou a ser preso por isso. Para saber mais, leia "De Profundis" (aviso, achei chatíssimo). Mas o que eu mais gosto nele é a ironia e a crítica aos costumes e falsos moralismos ingleses. O "Retrato" traz alguns toques irônicos, mas nada que se compare ao que você encontra em "O Fantasma de Canterville" ou no excelente "A importância de ser fiel", que eu tive a oportunidade de, além de ler, assistir a uma encenação.
Quanto à sua queixa na resposta ao Evandro, de que ninguém se interessa por estatística, eu diria que para a maioria das pessoas estatística é "só" matemática. Como a matemática exige que se pense, e quase ninguém gosta de pensar, bem, fica difícil as pessoas se interessarem tanto assim. Mas que tal começar a postar alguns assuntos interessantes envolvendo estatísticas, para ver como seus leitores reagem?

Thera Fajyn disse...

::.Y.::

Mais chato que o retrato? Obrigada, dispenso!

Já pensei na perte de estatística (aliás, comecei o blog pensando nisso) mas acabo sempre desviando... Vou ver se acho algo interessante na 1ª ESAMP, ok?!

Evandro disse...

Concordo com o Enio, nos mostre a tal da estatística! Eu não me dou nada bem com isso, mas com você explicando pode ficar interessante! Deve existir um monte de coisa isso, ou não, sinceramente não sei...

Alguns escritos de Oscar Wilde são até engraçados, principalmente seus contos. Tem um que gosto muito que é O Gigante Egoísta. Aliás a ironia dele beira a perfeição!

Abraços

Thera Fajyn disse...

::.Y.::

Ai Jisus! Pronto, me meti em fria... Vou ver se acho algo remotamente interessante, ok? O ruim de escrever sobre estatística é que a parte legal (as fórmulas) são um saco para digitalizar. Mas vamos ver o que eu posso fazer sem precisar recorrer às formulas.

Voltando à menina Oscarina: Os contos devem ser melhores então. Confesso que só não parei de ler "o Retrato de Dorian Gray" por que já encontrei algumas referências a ele por aí e não gostei da sensação de estar boiando. O gigante egoísta não me é estranho.

[Arit-Chat]

COMUNICADO DE Thera Vector: antigos comentários via Haloscan que a galera gosta de usar de chat. Sim, mais uma coisa cujo "culpado" é o Cabo Ênio, entendam-se com ele se não gostarem! :P Querem brincar também? Bom, até agora eu identifiquei as seguintes salas de bate-papo: [sala 1 - Vídeos inúteis] [sala 2 - Blogut] [sala 3 - Memes]